sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Fala, Senhor!



Não passa tempo algum que Deus não fale. Mesmo no silêncio da criação sua voz é ouvida, ou na agitação da vida, ou à mesa, ou na hora do passeio, ou num filme assistido. Quando dizemos “Fala, Senhor!”, não quer dizer que ele se emudeceu para nós. E que só fala quando lhe pedimos. Ele sempre fala, e tem muito o que dizer. Nós é que resistimos em ouvi-lo, porque só queremos ouvir o que desejamos.

Sua voz é proclamada em todo o tempo, em todas as coisas, em todos os acontecimentos, em todos os viés das sutilezas. Quando pedimos “Fala, Senhor!” é isso mesmo que deseja! Simplesmente quer que o ouçamos. Quando a terra treme é porque se ouve sua voz. Quando alicerces e fundamentos se movem, é ele! Será preciso que pedras clamem e que jumentas falem? Ele está presente! Para falar!

A expressão (está escrito) ” Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta”, é porque há muito que dizer! “O que envia o seu mandamento à terra; a sua palavra corre velozmente (Sl 147.15)” entra pelas portas e é proclamada “sobre os telhados”! Então, ele fala. Fala às igrejas. Não aos templos, nem aos paramentos, nem à eclesiologia dos togados, mas aos quebrantados de coração.

Quem tem ouvidos, ouça.

Isac Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário